Prisão de ventre  - REDE MATER DEI DE SAÚDE

Prisão de ventre 

O médico Juliano Antunes fala sobre um problema de saúde que gera mal-estar em muitas pessoas: a prisão de ventre.
 
O que é a prisão de ventre? 
A prisão de ventre, também chamada de obstipação ou constipação intestinal, na verdade, é um sintoma clínico caracterizado pela necessidade de esforc?o para evacuar. Para outros, significa evacuações de fezes arredondadas e endurecidas, inabilidade de defecar quando desejado ou a defecac?a?o infrequente.
Quais são os sintomas?
De acordo com a Organização Mundial de Gastroenterologia, a presença de dois dos critérios abaixo, em um período de 12 semanas nos últimos 12 meses, caracteriza a constipação intestinal, a saber: a. menos que três movimentos intestinais (MI) por semana b. fezes endurecidas em mais que 25% dos MIs c. sensac?a?o de evacuac?a?o incompleta em mais que 25% dos MIs d. esforc?o excessivo em mais que 25% dos MIs e. necessidade de manipulac?a?o digital para facilitar a evacuac?a?o.
Quantas vezes uma pessoa precisa evacuar durante a semana?
A frequência normal das evacuações é de uma vez a cada 3 dias a 3 vezes por dia, podendo variar dentro deste intervalo.
O que pode causar a prisão de ventre?
A constipação intestinal não deve ser considerada uma doença, e sim um sintoma resultante, sobretudo, de uma alimentação deficiente em fibras e líquidos, além do estresse, do sedentarismo e do envelhecimento. Algumas doenças podem causar prisão de ventre como o diabetes, a depressão, lupus e tumores intestinais.
Prisão de ventre e “intestino preguiçoso” são a mesma coisa?
O “intestino preguiçoso” nada mais é que uma das causas mais comuns da prisão de ventre, e é chamada de constipação funcional ou trânsito colônico lento.
É verdade que a prisão de ventre é mais comum entre as mulheres? Existe alguma explicação para isso?
Estatisticamente, a prisão de ventre afeta mais as mulheres do que os homens, ainda por fatores não muito bem compreendidos. Suspeita-se de influências hormonais.
Que tipo de nutrientes devem ser incluídos diariamente na dieta para melhorar a atividade do intestino? Em que alimentos esses nutrientes são encontrados?
O tratamento se baseia no uso de fibras, sobretudo grãos, frutas frescas e vegetais folhosos em geral. A hidratação adequada também é fundamental para um bom funcionamento intestinal.
Existem outras formas de tratar a prisão de ventre? Atividades físicas fazem diferença?
Atividades físicas e atender à vontade evacuatória auxiliam tanto no tratamento, como também, na prevenção da prisão de ventre.
Os iogurtes próprios para melhorar a atividade do intestino ajudam?
Os probióticos como iogurtes e leite fermentado têm sido utilizados no tratamento da prisão de ventre com sucesso. No entanto, o consumo excessivo destes alimentos pode causar diarreia, cólicas, flatulência e distensão abdominal.
O que pode ser feito para aliviar o desconforto da prisão de ventre? O uso de laxantes é recomendável?
Pode-se lançar mão de laxativos quando tais medidas são ineficazes ou quando o ato evacuatório se torna doloroso. O uso crônico de alguns laxativos, por exemplo o agarol, é desencorajado, já que a substância pode causar câncer.
A prisão de ventre, quando não tratada, pode levar a problemas mais graves?
A constipação intestinal ou a prisão de ventre, quando não tratadas, além de predispor ao aparecimento de sintomas como irritabilidade e insônia, levam a formação de divertículos intestinais.


RESPONSÁVEL:
Juliano Antunes Machado
Clínico Geral, Gastroenterologista e Nutrólogo
CRM-MG: 38045

Posts Relacionados

27 Março 2018

A importância da terapia nutricional...

A terapia nutricional é um conjunto de medidas terapêuticas que visa a melhora do estado nutricional do paciente. Com o objetivo de discutir a interdisciplinaridade na terapia nutricional, o Mater Dei sediou entre os dias 23 e 24 de março, o I Simpósio de Terapia...
27 Setembro 2019

Endoscopista do Mater Dei ministra...

Vitor Arantes ministrou palestras sobre “Técnicas de Ressecção Endoscópica no Cólon e Reto”, “Reflexões sobre as ferramentas educacionais dos cursos ao vivo” e “Ressecção endoscópica no câncer de esôfago”