Câncer de mama - REDE MATER DEI DE SAÚDE

Câncer de mama 

Vamos viver mais do que os nossos antepassados. Isso significa conviver cada vez mais com as doenças crônico-degenerativas, próprias da modernidade e típicas do envelhecimento e do atual estilo de vida da população. Dentre essas doenças estão as do aparelho cardio-circulatório, como a hipertensão arterial e o infarto agudo do miocárdio, as doenças ligadas ao metabolismo como o diabetes melitus, os distúrbios do colesterol e os diversos tipos de câncer.
 
Fatores genéticos, a exposição a agentes agressores do meio ambiente e o estilo de vida estão, na maioria das vezes e embora haja diversos fatores de risco, associados ao diagnóstico do câncer. No caso das mulheres, o tipo mais frequente em países ocidentais é o câncer de mama. Ao mesmo tempo em que o número de casos aumenta, o mesmo pode se dizer dos métodos de prevenção, diagnóstico e tratamento da doença.
 
Um dos fatores que mais contribuíram para o entendimento e o manejo mais assertivo e adequado no combate ao câncer de mama foi a constatação de que é necessário que a paciente se beneficie de uma abordagem multidisciplinar. Certamente, o maior avanço no tratamento de mulheres com câncer foi a possibilidade de se estabelecer uma abordagem customizada para cada uma. Apenas para citar alguns exemplos, hoje uma equipe completa – que discute cada caso, atualiza-se e trabalha como um verdadeiro time - precisa contar com mastologistas, oncogeneticistas, radiologistas especialistas em imagens das mamas, radioterapeutas, patologistas, cirurgiões plásticos, médicos nucleares, psicólogos, fisioterapeutas, dentre outros. Isso só foi possível porque muito se investiu nos detalhes e no conhecimento acerca das características das diversas formas de apresentação da doença.
 
Buscando quebrar o paradigma de que um único profissional era o responsável pela condução das diversas etapas e detalhes do tratamento do câncer de mama há 30 anos, em 1986, fundamos o Departamento de Mastologia do Hospital Mater Dei reunindo uma equipe multidisciplinar que contribui e acompanha todos os avanços que foram sendo incorporados ao moderno manejo da doença. Desde o início coordenamos um destes times no Serviço e pudemos acompanhar os avanços que profissionais de diversas partes do mundo trouxeram para a maneira como a doença é tratada nos dias atuais.
 
Houve, nas últimas décadas, uma modificação radical na abordagem cirúrgica do câncer de mama com técnicas que conservam e mantêm um resultado estético das mamas excelente. A cirurgia da axila, antes radical - hoje é realizada com a retirada apenas do linfonodo sentinela na maioria dos casos - e a radioterapia aplicada durante a cirurgia são alguns dos avanços que beneficiam um grande número de mulheres com câncer de mama. Essa nova maneira de se abordar a doença diminiui sobremaneira uma das maiores complicações que ocorreram no passado: o linfodema do braço. Da mesma maneira, os medicamentos evoluíram muito.
 
Hoje, na medida em que, por meio de análises laboratoriais, conhecemos melhor o comportamento de determinado tumor, podemos definir com maior precisão a melhor estratégia terapêutica para cada paciente utilizando o tratamento minimamente necessário para controlar o problema. Com esta nova perspectiva, houve uma diminuição dos efeitos colaterais indesejáveis do tratamento. Esse, certamente, é um campo em que a medicina se tornou personalizada. Isto é, atendendo às necessidades específicas de uma determinada portadora da doença.
 
Certamente, vivemos um novo tempo no entendimento e na abordagem dos aspectos relacionados ao câncer de mama, seja no diagnóstico, seja no tratamento. É importante frisar que nenhuma medida é mais efetiva do que o autocuidado e a adaptação do estilo de vida aos tempos atuais. Se vamos viver mais, que seja também com mais saúde e com menos limitação. Para a isso, a adoção de uma dieta saudável, a prática regular de exercícios físicos, o controle da obesidade e uma menor exposição aos fatores de riscos ambientais constituem-se em importantes medidas para que possamos viver mais e melhor.


RESPONSÁVEL:
Henrique Moraes Salvador Silva
Presidente da Rede Mater Dei de Saúde
Coordenador da Unidade de Mastologia do Hospital Mater Dei
Ex-presidente da Sociedade Brasileira de Mastologia
CRM-MG: 15404

Posts Relacionados

16 Dezembro 2016

Preservação da fertilidade e câncer...

A incidência do câncer de mama aumenta com a idade e acomete a maioria das mulheres na pós-menopausa. Estima-se que 15 a 25% dos casos surgem na pré-menopausa, cerca de 7% abaixo dos 40 anos e que uma parcela significativa terá a doença durante o ciclo...
30 Novembro 2016

Mater Dei celebra o Dia Nacional de...

Rede Mater Dei de Saúde realiza a 6ª edição da Campanha em celebração ao Dia Nacional de Combate ao Câncer.
29 Maio 2019

Mater Dei alerta para o risco do...

O tabaco é uma das principais causas de doenças cardiovasculares e oncológicas do mundo, com predominância do câncer de pulmão, que deve acometer mais de 31 mil homens e mulheres no Brasil somente no biênio 2018-2019