Saiba mais sobre o Cálculo renal - REDE MATER DEI DE SAÚDE

Cálculo renal

O que é

Também conhecida como pedra no rim ou urolitíase, o cálculo renal se forma com a cristalização de sais minerais presentes na urina. É uma doença mais comum entre os homens, mas que também atinge o público feminino.

As pedras são compostas, em sua maioria, por sais de cálcio. Porém, existem cálculos que se formam a partir de outras substâncias, como ácido úrico, estruvita e cistina e que não possuem relação com o cálcio.

Causas

Os fatores de risco mais comuns que podem levar à Urolitíase são:
- Predisposição genética;
- Dieta rica em sal e/ou proteínas animais;
- Baixa ou exagerada ingestão de cálcio, como leite e derivados;
- Baixa ingestão hídrica;
- Fatores ambientais (pessoas que trabalham em locais muito quentes ou que vivem em países tropicais estão mais propensas a desenvolver a doença).

Sintomas

No momento em que uma pedra fica impactada em algum ponto do ureter (canal que drena a urina do rim à bexiga) acontece a obstrução e dilatação do sistema urinário e, consequentemente, a dor. Essa dor é, normalmente, de início súbito, forte intensidade, localizada em flancos e que se espalha para o abdome anterior e genitália.

Sintomas miccionais, como desconforto ao urinar e sensação de que a bexiga não esvazia também são comuns ao paciente com Urolitíase. Em alguns casos, náuseas e vômitos podem ocorrer.

Diagnóstico

O diagnóstico definitivo é feito através de um exame de imagem, no qual o método mais eficaz (quando disponível e se não houver contraindicação) é a tomografia computadorizada do abdome, capaz de detectar a maioria dos cálculos. Além disso, é feito um exame de urina de rotina para descartar a hipótese de uma infecção do trato urinário, visto que o exame detecta a presença de sangue na urina, o qual muitas vezes está presente no paciente com cálculo renal. O Ultrassom e o Radiografia simples do abdome também podem auxiliar no diagnóstico.

Tratamento

A escolha do melhor tratamento para a Urolitíase se baseia, primeiramente, no tamanho das pedras. Caso ela seja pequena, serão utilizados medicamentos para controle da dor e auxílio na eliminação espontânea do cálculo. Quando se tratar de pedras maiores, será necessária uma abordagem cirúrgica.

A escolha da cirurgia a ser empregada é baseada na posição e no tamanho do cálculo. Para fazer o diagnóstico e estipular o tratamento mais viável, é extremante importante procurar o urologista. Somente ele está apto para analisar e discutir de maneira individualizada o melhor caminho.

Prevenção

Manter hábitos que aumentam o fluxo urinário, como a ingestão contínua de água e sucos naturais (preferencialmente sucos cíttricos) é crucial para evitar a formação dos cálculos urinários. Também é importante estabelecer hábitos alimentares específicos, como a diminuição da ingestão de sal e de alimentos ricos em proteína animal e o consumo balanceado de leite e derivados.


RESPONSÁVEL:
Marcelo Esteves Chaves Campos
Urologista
CRM-MG: 43272

Posts Relacionados

29 Outubro 2019

Dia Mundial de Combate ao AVC

O AVC pode acarretar diversos problemas desde perdas de movimentos, incapacidade de falar, comprometimento da memória, até o óbito
18 Novembro 2016

Novembro Azul: Hospital Integrado do...

Novembro é o mês dedicado aos alertas sobre a importância dos cuidados da saúde masculina, a fim de melhorar a qualidade de vida dos homens.
28 Outubro 2016

Neurologia da Rede Mater Dei de Saúde...

O Serviço de Neurologia da Rede Mater Dei de Saúde destaca os esforços em treinamentos e os investimentos em melhorias e tecnologia para garantir a rapidez no atendimento à vítima de Acidente Vascular Cerebral – AVC.