Miomas e infertilidade - REDE MATER DEI DE SAÚDE

Miomas e infertilidade

Os miomas uterinos, também conhecidos como fibromas ou leiomiomas, são tumores benignos  compostos por células musculares que formam a camada muscular do útero (miométrio). Ocorrem em  aproximadamente 25 a 35% das mulheres em idade fértil. Afetam a qualidade de vida das mulheres  porque são causas comuns de sangramento, dor pélvica e outros sintomas, embora possam ser  assintomáticos em até 50% dos casos. A ocorrência de sintomas está associada à localização e o número  de miomas uterinos. O diagnóstico é comumente realizado pela ultrassonografia ou ressonância  magnética. O risco de transformação maligna (câncer) dos miomas é muito baixo.

Os estudos disponíveis são controversos quanto ao possível impacto dos miomas sobre a fertilidade.  Segundo a Sociedade Americana de Medicina Reprodutiva (ASRM), depois de excluídas todas as outras causas, somente de 2% a 3% das infertilidades podem ser atribuídas aos efeitos dos miomas assintomáticos.

Na ausência de sintomas e de qualquer outra causa identificada de infertilidade, a remoção do mioma não está indicada, visto que o procedimento cirúrgico pode contribuir para o desenvolvimento de outros fatores de infertilidade (aderências e até obstrução das tubas uterinas). As evidências atuais corroboram para a necessidade de tratamento na presença de miomas que distorçam a porção interna do útero onde a gravidez se desenvolverá. Nas demais localizações, uma avaliação cuidadosa deverá ser realizada, levando em consideração os possíveis riscos e benefícios envolvidos. Não há evidências de que o tratamento medicamentoso aumente as taxas de fertilidade, podendo inclusive atrasar a ocorrência de gravidez, dessa forma, não se recomenda seu uso para este fim.

O impacto dos miomas sobre a gravidez também é controverso. Estima-se que os miomas estejam presentes em 4% a 5% das gestantes e que a maioria – 80% – mantenha-se do mesmo tamanho e até regrida durante a gravidez. O maior crescimento, quando acontece, ocorre no primeiro trimestre da gestação. Alguns estudos mostram que os miomas uterinos aumentam as chances de complicações durante a gravidez dependendo de sua localização.

Cerca de 30% das mulheres têm ou terão mioma uterino. A maioria delas não precisará de qualquer tratamento. Para aquelas que apresentarem alguma sintomatologia, o leque de opções terapêuticas é cada vez mais variado. O tratamento ideal clínico e/ou cirúrgico deverá ser instituído individualmente após avaliação médica criteriosa.

Centro de Reprodução Humana Mater Dei
Mater Dei Santo Agostinho – Rua Mato Grosso, 1.100 – 2º andar – 31. 3339-9495.

RESPONSÁVEL:
Márcia Mendonça Carneiro
Ginecologista do Centro de Reprodução Humana Mater Dei
CRM-MG: 27578


Publicado em: 16/11/2016

Este conteúdo foi útil pra você? Sim Não
Obrigado pelo feedback. Sua opinião nos ajuda a criar um site melhor a cada dia.

Este post é sobre Cuidados com o bebê

Posts Relacionados

24 Novembro 2016

Esclarecendo sobre ovodoação

O Centro de Reprodução Humana da Rede Mater Dei de Saúde é constituído com o que há de mais avançado em tecnologia de reprodução assistida.
08 Outubro 2019

Congresso Mundial de Controvérsias em...

Médicos da equipe de Ginecologia e Obstetrícia da Rede Mater Dei de Saúde irão apresentar trabalho sobre “Correspondência entre achados ultrassonográficos, histeroscopia e histológicos em mulheres na pré-menopausa” no Congresso Mundial
09 Agosto 2016

Reprodução Humana e a Oncofertilidade

A preservação da fertilidade em homens e mulheres é algo muito importante que deve ser, adequadamente, abordado pelos médicos especialistas e discutido com o paciente sobre suas possibilidades e também seus riscos