Transporte de amostras biológicas para outras clínicas - REDE MATER DEI DE SAÚDE
Sobre o Mater Dei » Fique por dentro » Notícias Institucionais » Transporte de amostras biológicas para outras clínicas

Transporte de amostras biológicas para outras clínicas

Alguns tratamentos de fertlização in vitrogeram um número maior de óvulos/embriões que, posteriormente, são congelados. Eles pertencem aos pacientes que realizaram o procedimento e são mantidos no Centro de Reprodução Humana por tempo indeterminado, desde que solicitado a sua retirada. O paciente tem o direito de transferir seus óvulos/embriões para outra clínica no caso de mudança de interesse. Para isso, deve assinar o termo de consentimento específico e a autorização para a troca de domicílio da guarda do material.

As amostras congeladas são conservadas em container de nitrogênio líquido em uma temperatura de -196°. O transporte deve ser validado e realizado de acordo com as especificações da norma vigente pelo Centro de Reprodução Humana. E o transporte tem que ser feito nas mesmas condições de temperatura.

Os óvulos e embriões criopreservados devem ser acondicionados em reservatórios identificados e com o material refrigerante adequado para a preservação das características e funções biológicas. A irradiação do material é expressamente proibida. No lado externo do recipiente térmico, ou no caso de embalagem externa, deve constar o aviso: “Material biológico humano. Não submeter à radiação (RAIOS X)”. O material transportado deve ser acompanhado de termo de transporte assinado pelo responsável pelo acondicionamento e embalagem, informando o tipo de amostra, data e hora do acondicionamento, serviço de origem e destino e as recomendações complementares.

Todos os registros referentes ao transporte devem ser mantidos durante todo o período de armazenamento do material e por um período mínimo de cinco anos, após a sua utilização terapêutica.

Para maior segurança, um responsável devidamente treinado, faz esse transporte juntamente com o paciente. O transporte das amostras de uma clínica para outra não “danifica” ou “altera” o material, na hora do descongelamento e transferência do embrião transportado.


RESPONSÁVEL:
Moísa Lúcia Pedrosa
Bióloga e Embriologista do Centro de Reprodução Humana Mater Dei


Publicado em: 15/06/2016

Este conteúdo foi útil pra você? Sim Não
Obrigado pelo feedback. Sua opinião nos ajuda a criar um site melhor a cada dia.

Este post é sobre Notícias institucionais

Posts Relacionados

19 Abril 2018

​O impacto da obesidade na...

A obesidade em homens em idade reprodutiva quase triplicou nos últimos 30 anos e coincide com um aumento na infertilidade masculina em todo o mundo.
28 Novembro 2017

​Quais fatores podem interferir na...

A infertilidade masculina refere-se à incapacidade de conceber uma criança após um ano de tentativas sem o uso de qualquer método contraceptivo.
01 Agosto 2019

Cinco anos de atuação

​Centro de Reprodução Humana Mater Dei resgata história da instituição e mantém tradição e referência na área