Simpósio Pé Diabético 2017 discute temas atuais da patologia - REDE MATER DEI DE SAÚDE
Sobre o Mater Dei » Fique por dentro » Notícias Institucionais » Simpósio Pé Diabético 2017 discute temas atuais da patologia

Simpósio Pé Diabético 2017 discute temas atuais da patologia

Evento reuniu mais de 250 pessoas. Estima-se que cerca de 422 milhões de pessoas sejam diabéticas

Foi realizado, nos dias 2 e 3 de junho, o Simpósio Pé Diabético 2017. Realizado pelo Grupo Multidisciplinar do Pé Diabético da Rede Mater Dei de Saúde, o evento contou com a participação de mais de 250 pessoas dentre médicos, residentes, enfermeiros, estudantes de medicina e enfermagem e áreas afins. A edição 2017 foi dividida em três módulos: diagnóstico, tratamento e prevenção e ação. 

Foram debatidos ao longo do evento temas relevantes como: O impacto do pé diabético na qualidade de vida do paciente diabético; O papel da investigação por imagem no Pé Diabético; Como definir o nível de amputação ideal? Existem marcadores confiáveis?; e Salvamento e Reconstrução no Pé Diabético infectado grave. “O evento superou em muito as nossas expectativas. O alto nível das aulas do primeiro dia, bem como a grande discussão realizada no segundo dia do evento, focada com compartilhamento de experiências nos mais diversos cenários, como nos PAMs, Rede estadual, SUS São Paulo, Operadoras de Saúde e Hospitais da Rede Privada, nos permitiram conhecer um cenário de diversas fantásticas iniciativas relacionadas desde o diagnóstico até a prevenção, fazendo com que todos pudessem aprender e compartilhar idéias de sucesso”, explica o ortopedista Roberto Zambelli, membro do Grupo Multidisciplinar do Pé Diabético e coordenador do Serviço de Ortopedia da Rede Mater Dei de Saúde

De acordo com a Organização Mundial de Saúde, mais de 16 milhões de brasileiros adultos sofrem de Diabetes e a doença mata 72 mil pessoas por ano em nosso país. No mundo os dados são ainda mais alarmantes. Estima-se que cerca de 422 milhões de pessoas sejam diabéticas e 50% desenvolvam neuropatia 25 anos após o diagnóstico. “O Diabetes é uma epidemia mundial e o pé diabético, como uma de suas complicações tardias, está cada vez mais presente na nossa prática diária. O impacto de um manejo inadequado pode culminar em amputações maiores, acima do tornozelo, o que acarreta grande limitação e consequente piora do quadro clínico dos nosso pacientes. O cuidado e as discussões multidisciplinares são os pilares do aperfeiçoamento do tratamento do paciente com pé diabético, trazendo resultados cada vez mais valiosos para todos”, ressalta Zambelli.

Sobre o Grupo Multidisciplinar do Pé Diabético
O Grupo Multidisciplinar do Pé Diabético da Rede Mater Dei de Saúde nasceu no ano de 2007 pela iniciativa dos Drs. Fernando Lopes, José Mariano, Jorge Menezes, Erika Figueiredo e Daniel Mendes, com o objetivo de iniciar um atendimento sistematizado dentro de uma filosofia multidisciplinar. Assim, cada parte da assistência ficaria responsável por se dedicar a solucionar uma parte do problema, sempre baseado nas melhores práticas e numa rotina sistematizada, objetivando minimizar os impactos da doença, com menos abordagens cirúrgicas, atendimento humanizado e com o compromisso com a qualidade pela vida. Hoje o grupo é composto por médicos da Ortopedia, Cirurgia Plástica, Infectologia, e Angiologia e Cirurgia Vascular.

Publicado em: 14/06/2017

Posts Relacionados

26 Maio 2020

Artigo escrito por cardiologista da...

O trabalho realizado por médicos mineiros da Rede Mater Dei de Saúde e da Sociedade Mineira de Cardiologia, publicado em 2019, foi destaque entre os TOP 10 das principais revistas científicas em cardiologia do Brasil e Portugal, os Arquivos Brasileiros de...
19 Maio 2020

Uso de álcool em gel e o risco de...

De acordo com o Ministério da Saúde, mais de um milhão de pessoas sofrem queimaduras no Brasil todos os anos, principalmente nos meses de junho e julho, em decorrência de fatores como frio e férias escolares.
20 Abril 2020

Visita virtual

​A Rede Mater Dei de Saúde está trazendo os familiares para mais perto dos pacientes internados no CTI, com suspeita ou confirmação para Covid-19.