Setembro dourado e o câncer infantojuvenil - REDE MATER DEI DE SAÚDE

Setembro dourado e o câncer infantojuvenil

Quando diagnosticado prematuramente, as chances de cura do câncer em uma criança ou adolescente são muito maiores. Pensando na importância dessa conscientização, durante o mês de setembro, são realizadas ações dedicadas à conscientização e alerta para o câncer infantojuvenil, que corresponde à segunda causa de morte por doença no Brasil de crianças e adolescentes entre 1 e 19 anos. 

De acordo a Confederação Nacional de Instituições de Apoio e Assistência à Criança e ao Adolescente com Câncer (CONIACC), o câncer infantojuvenil possui características próprias e ainda não se sabe um fator único que pode ser responsável pelo seu surgimento. “Na faixa etária pediátrica, em uma parcela dos casos, podemos determinar um grupo de risco para o desenvolvimento das neoplasias na infância tais como: crianças com doenças genéticas (Síndrome de Li-Fraumeni, Neurofibromatose tipo 1, Beckwith-wiedemann, Síndrome de Down), malformações congênitas, imunodeficiência congênita ou adquirida, algumas infecções virais crônicas (vírus de Epstein e hepatite B) e, em menor proporção, os fatores ambientais (exposição excessiva ao sol, tabagismo e abuso do álcool em adolescentes)”, explica a oncologista pediátrica do Hospital Integrado do Câncer Mater Dei, Karine Fonseca. 

Segundo a médica os tumores malignos estão associados a mutações genéticas, translocações, deleções e amplificação dos genes relacionados com o surgimento dos tumores. “Dependendo da alteração associada a resposta ao tratamento pode ser melhor associada a uma maior chance de cura ou significar um prognóstico mais reservado”, completa.  

Tendo em vista que não há um fator específico para o surgimento da doença, a prevenção é resultado da ação conjunta entre uma educação de saúde e a capacitação contínua de profissionais da área da saúde. A oncologista afirma a necessidade de acompanhamento médico para prevenção “Para crianças saudáveis, um bom acompanhamento pediátrico de rotina (puericultura) é a prioridade, já para as crianças e adolescentes sabidamente de risco, é indicado acompanhamento médico com oncohematologista pediátrico e a realização de exames de rotina, como os laboratoriais e de imagem, dependendo de casa caso. Além disso é necessário orientação sobre alimentação saudável, o seguimento correto da imunização conforme orientação da Sociedade Brasileira de Pediatria e orientação sobre fatores de risco ambiental”.  

O Instituto Nacional do Câncer (INCA) afirma que o diagnóstico precoce é o fator mais importante para o controle e o combate da doença, já que 80% das crianças e adolescentes diagnosticados precocemente tem maior chance de cura. 

Uma das formas de se diagnosticar o câncer infantojuvenil exige a atenção da família a sinais e sintomas, que muitas vezes são confundidos com doenças comuns da infância, como dores ósseas, manchas roxas no corpo, sangramentos sem justificativa, vômitos, palidez e febre. Além disso, qualquer sintoma antes não existente, como convulsões, perda de peso, alteração nos olhos e até mesmo o comportamento diferente da criança e do adolescente, deve ser investigado. 


RESPONSÁVEL:
Karine Correa Fonseca
CRM: 33824
Oncologista pediátrica do Hospital Integrado do Câncer Mater Dei

 

Publicado em: 11/09/2018

Este conteúdo foi útil pra você? Sim Não
Obrigado pelo feedback. Sua opinião nos ajuda a criar um site melhor a cada dia.

Este post é sobre Doenças infantis

Posts Relacionados

01 Novembro 2019

Rede Mater Dei integra lista como...

Ranking se refere aos Hospitais melhor equipados no Brasil em 2019
19 Fevereiro 2018

Câncer Infantojuvenil tem 80% de...

Principal causa de morte por doença entre crianças e adolescentes de 1 a 19 anos, o câncer infantojuvenil representa 8% do total do índice de mortalidade de pessoas dessa faixa etária.
06 Abril 2018

Dia Mundial do Combate ao Câncer...

Incidência do câncer aumentou em 20% nos últimos dez anos. A Estimativa do Inca é de 600 mil novos casos para 2018.