Traumatismos do fim do ano - REDE MATER DEI DE SAÚDE
Cuidados com a Saúde » Prevenção e Cuidados » Ortopedistas do Brasil inteiro se preparam para a ‘epidemia’ de traumatismos do fim do ano

Ortopedistas do Brasil inteiro se preparam para a ‘epidemia’ de traumatismos do fim do ano

Em todos os prontos-socorros do Brasil, com plantões reforçados, os ortopedistas se preparam para o período que mais contribui para as estatísticas que colocam o País como um dos líderes mundiais de mortes no trânsito, 47 mil a cada ano, além de 400 mil pessoas que ficam com sequela decorrente do traumatismo, que podem ir da amputação de uma perna à condenação a uma cadeira de rodas pelo resto da vida. A colocação é do especialista Francisco Carlos Salles Nogueira, diretor de Campanhas da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia e médico da Rede Mater Dei de Saúde, instituição que também está se preparando para a época mais difícil do ano.

“O uso do celular na direção, o excesso de velocidade e principalmente o motorista alcoolizado na volta da festa de réveillon produzem acidentes de alta energia”, diz o médico, sendo os mais comuns o afundamento torácico, fratura da pelve ou do fêmur e o mais temido, o politrauma, que exige o atendimento multidisciplinar. Nesses casos o ortopedista trabalha juntamente com  o neurocirurgião ou o cardiologista, por exemplo. É que quando o paciente é idoso geralmente há comorbidades, como quando o acidentado precisa de uma cirurgia ortopédica mas é cardíaco, o que torna o procedimento mais complicado.

“Para quem lê a notícia dos acidentes de fim de ano no jornal, a lembrança que fica é apenas de um número”, complementa o ortopedista, mas é difícil imaginar a dificuldade e o estresse do médico que precisa informar aos familiares de um paciente que ele perderá as duas pernas, num exemplo, ou que ele teve morte cerebral. “E o pior”, conclui, “é que essas mortes e sequelas são evitáveis, bastaria um pouco mais de conscientização e os desastres não ocorreriam”.

Nogueira lembra que o custo do tratamento dos feridos no trânsito, mesmo sem levar em conta o prejuízo da incapacitação para o trabalho por uma vida inteira, chega a 56 bilhões de reais, segundo recente levantamento do Observatório Nacional de Segurança Viária. “O problema não é só brasileiro, entretanto”, complementa o especialista, tanto que há sete anos a ONU lançou uma campanha para reduzir as mortes no trânsito pela metade, até 2020. O documento da ONU, do qual o Brasil é signatário, indica que no mundo são perdidas a cada ano 1,3 milhão de vidas, enquanto as vítimas não fatais chegam a 400 milhões.

Conheça a equipe de ortopedia e traumatologia da Rede Mater Dei de Saúde e saiba mais informações sobre o serviço.


RESPONSÁVEL:
Francisco Carlos Salles Nogueira

Ortopedista e traumatologista
CRM-MG: 19492

 

Publicado em: 28/12/2017

Este conteúdo foi útil pra você? Sim Não
Obrigado pelo feedback. Sua opinião nos ajuda a criar um site melhor a cada dia.

Este post é sobre Dicas

Termos relacionados Transito traumatismo ortopedia

Posts Relacionados

28 Dezembro 2017

Ortopedistas do Brasil inteiro se...

Em todos os prontos-socorros do Brasil, com plantões reforçados, os ortopedistas se preparam para o período que mais contribui para as estatísticas que colocam o País como um dos líderes mundiais de mortes no trânsito.
14 Junho 2017

Médicos do Mater Dei são premiados

Os ortopedistas do Serviço de Ortopedia da Rede Mater Dei de Saúde foram autores do melhor vídeo de procedimento apresentado no 18º Congresso da Associação Brasileira de Medicina e Cirurgia do Tornozelo e Pé (ABTP)
31 Julho 2017

Tratamento adequado de lesões pode...

Sabe-se que as feridas, de um modo geral, são porta de entrada para bactérias, que podem causar infecções graves nos pacientes. Muitos, que estão em tratamento de doenças como diabetes e câncer, por exemplo, podem desenvolver feridas de difícil cicatrização e...