Gêmeos e a reprodução assistida - REDE MATER DEI DE SAÚDE
Cuidados com a Saúde » Gravidez e Bebê » Quais são as probabilidades de gêmeos em uma gravidez feita por meio da reprodução assistida?

Quais são as probabilidades de gêmeos em uma gravidez feita por meio da reprodução assistida?

As técnicas de reprodução assistida levam a um aumento da incidência de gestação múltipla quando comparado com as gravidezes espontâneas. Na última década, uma das maiores preocupações dos profissionais que trabalham com a reprodução assistida é reduzir o número de gestações múltiplas. Considerando que o grande objetivo das técnicas de reprodução assistida é o bebê saudável em casa com os seus pais, a preocupação é relevante pois há aumento dos riscos de complicação na gestação de gêmeos, trigêmeos ou mais gera, tanto para a mãe quanto para os fetos.

Em um ciclo de fertilização in vitro, a chance de uma gravidez múltipla gira em torno de 20 a 30%. Uma estratégia para se reduzir essa incidência tão alta, é reduzir o número de embriões transferidos para o útero materno.

Assim, algumas sociedades médicas (American Society for Reproductive Medicine e Society for Assisted Reproductive Technology) desenvolveram guidelines sobre o assunto e o Conselho Federal de Medicina acrescentou em suas normas éticas uma regulamentação sobre o número de embriões a ser transferido para o útero. 

Apesar dessas recomendações, o número de embriões transferidos deve ser discutido e analisado individualmente com cada casal. Deve-se avaliar a história de cada um, avaliando os seus fatores prognósticos para o sucesso de tratamento. Só após uma análise criteriosa e individualizada deve ser definido esse número. As variáveis que devemos levar em consideração nessa decisão são:
    - Idade materna
    - Qualidade dos embriões
    - Estágio dos embriões
    - Número e resultado de tentativas de fertilização in vitro anteriores

Portanto, em pacientes jovens, com menos de 35 anos, os casais devem ser encorajados a transferir somente um embrião de boa qualidade. No entanto, é aceitável a transferência de até 2 embriões.

Para pacientes entre 35 e 39 anos, a recomendação é que se transfira até 3 embriões. Em situações de bom prognóstico, como grande número de embriões de boa qualidade, embriões excedentes com possibilidade de congelamento e sucesso em ciclos de fertilização in vitro anteriores, devemos sempre considerar a transferência de 2 ou até mesmo 1 embrião também nessas pacientes.     Já para as pacientes acima dos 40 anos de idade, é possível a transferência de até 4 embriões. 
 
Nos casos de pacientes que estiverem realizado a ovodoação (fertilização in vitro com óvulos doados) devemos considerar a idade da doadora para avaliar e não o da paciente receptora.

Por meio dessas medidas, visamos a reduzir o número de gestação múltipla, o que é um resultado indesejado das técnicas de reprodução assistida.


RESPONSÁVEL:
Ana Márcia de Miranda Cota
Ginecologista, obstetra e especialista em Reprodução Humana
CRM-MG: 35386


Publicado em: 20/04/2017

Este conteúdo foi útil pra você? Sim Não
Obrigado pelo feedback. Sua opinião nos ajuda a criar um site melhor a cada dia.

Este post é sobre Gestação

Posts Relacionados

01 Agosto 2019

Cinco anos de atuação

​Centro de Reprodução Humana Mater Dei resgata história da instituição e mantém tradição e referência na área
02 Agosto 2016

Estrutura hospitalar para mãe e filho

A Maternidade da Rede Mater Dei de Saúde possui apartamentos modernos e confortáveis com alojamento conjunto, que permite a permanência do bebê com a mãe em tempo integral.
20 Dezembro 2017

O tempo de vida fértil da mulher

As mulheres possuem um número não renovável de óvulos (folículos) em seus ovários que, com o passar do tempo, reduz gradativamente em questão de quantidade e qualidade até a ocorrência da menopausa.