Preservação da fertilidade e câncer de mama - REDE MATER DEI DE SAÚDE
Cuidados com a Saúde » Gravidez e Bebê » Preservação da fertilidade e câncer de mama

Preservação da fertilidade e câncer de mama

A incidência do câncer de mama aumenta com a idade e acomete a maioria das mulheres na pós-menopausa. Estima-se que 15 a 25% dos casos surgem na pré-menopausa, cerca de 7% abaixo dos 40 anos e que uma parcela significativa terá a doença durante o ciclo reprodutivo.

Na mulher jovem o câncer de mama é atípico, com prognóstico reservado. Estudos americanos pontuam a melhora na taxa de sobrevivência dessas mulheres num período de cinco anos livre da doença, saindo de 75,2% (década de 1970) para 86,9%, atualmente. Esse fato, aliado à tendência a retardar a gestação para uma idade mais avançada, cerca dos 40 anos, levanta a preocupação sobre desejo e futuro reprodutivo das sobreviventes. Outro dado é que só a metade dessas pacientes é aconselhada sobre o impacto do tratamento na fertilidade futura. A fertilidade será influenciada pela idade no momento do diagnóstico e a necessidade, tipo e duração do tratamento quimioterápico e hormonal.

A mulher acima de 40 anos apresenta cinco vezes mais risco de interromper a menstruação por longos períodos (amenorréia) após a quimioterapia. Em torno dos 30 anos a taxa de amenorréia fica entre 15 a 40%, sendo a idade fator determinante na capacidade de perda de óvulos e folículos em desenvolvimento. Apesar do uso comum como marcadores da função reprodutiva, a amenorréia e a retomada de ciclos mentruais regulares não são sinônimos de fertilidade. Os agentes quimioterápicos mais indutores de toxicidade ovariana são os alquilantes, antraciclinas, taxanos e análogos platínicos e essa ação relaciona-se com dose e número de ciclos de tratamento. Quanto aos tratamentos hormonais há poucos dados sobre o efeito direto do tamoxifeno na função ovariana. Acredita-se que o principal problema seja o tempo prolongado de tratamento, que pode relacionar com efeitos da idade avançada nas chances de uma gravidez.

Marcadores hormonais podem ser úteis para acessar a reserva ovariana da mulher que irá se submeter, já iniciou ou terminou o tratamento quimioterápico. Os mais utilizados são as dosagens no sangue de FSH, estradiol e AMH (hormônio antimulleriano). A determinação dos marcadores pode apresentar problemas como variação cíclica e acarretar a necessidade de várias dosagens para obter a estimativa da reserva ovariana e a impossibilidade de realizar as dosagens de maneira fidedigna durante o tratamento hormonal, como o tamoxifeno. Também é útil a realização de ultrassonografia endovaginal para contagem de folículos antrais, importantes preditores da reserva ovariana.

Se uma boa reserva ovariana foi prevista antes de iniciar o tratamento quimioterápico ou hormonal e não prejudicar a qualidade do material a ser criopreservado, várias técnicas de reprodução assistida podem ser indicadas como: técnicas que tentam reduzir o impacto da quimioterapia na função ovariana; técnicas para obter oócitos ou embriões para serem criopreservados; técnicas que preservam o tecido ovariano antes de começar a quimioterapia. Tem-se a supressão ovariana com análogos do GnRH, procedimento experimental, que precisa de maiores avaliações sobre  eficácia; o congelamento de óvulos obtidos após hiperestimulação ovariana controlada com protocolos específicos para pacientes oncológicas; o congelamento de embriões que envolve questões éticas e também requer hiperestimulação ovariana hormonal e técnicas de fertilização in vitro; a retirada cirúrgica de fragmentos da córtex dos ovários para criopreservação, também experimental.

O importante é pontuar, para pacientes e profissionais de saúde, que uma gravidez após câncer de mama é possível e segura tanto para a mãe quanto para o feto.


RESPONSÁVEL:
Rívia Lamaita
Especialista em Reprodução Assistida e Coordenadora do Centro de Reprodução Humana Mater Dei
CRM-MG: 28859


Publicado em: 16/12/2016

Este conteúdo foi útil pra você? Sim Não
Obrigado pelo feedback. Sua opinião nos ajuda a criar um site melhor a cada dia.

Este post é sobre Gestação

Posts Relacionados

03 Novembro 2016

Câncer de Próstata: quando mais...

No Brasil, a estimativa é que ocorrerão 69 mil novos casos de câncer de próstata com, aproximadamente, oito mil novos casos em Minas Gerais, sendo 1.180 em Belo Horizonte.
13 Março 2017

Hospital Integrado do Câncer anuncia...

Nesta segunda-feira, 13 de março, aconteceu, no Mater Dei Contorno, a assinatura de contrato que marcou a parceria exclusiva entre o Hospital Integrado do Câncer Mater Dei e a Mendelics.
16 Novembro 2016

Miomas e infertilidade

O Centro de Reprodução Humana da Rede Mater Dei de Saúde é constituído com o que há de mais avançado em tecnologia de reprodução assistida.