O tempo de vida fértil da mulher - REDE MATER DEI DE SAÚDE

O tempo de vida fértil da mulher

As mulheres possuem um número não renovável de óvulos (folículos) em seus ovários que, com o passar do tempo, reduz gradativamente em questão de quantidade e qualidade até a ocorrência da menopausa. Essa redução se acentua particularmente após os 35 anos com consequente declínio natural das chances de gravidez. 

A quantidade de folículos que há no ovário, em determinado momento, é denominada de reserva ovariana e seu conhecimento é importante para avaliar a possível chance de sucesso em tratamentos de reprodução assistida (inseminação ou fertilização in vitro). Dessa forma, o sucesso do procedimento depende, até certo ponto, da reserva ovariana da mulher que, por sua vez, piora com o aumento da idade.

Porém, a avaliação da reserva ovariana não é fácil visto que os exames disponíveis (dosagens hormonais de FSH, hormônio Anti-Mulleriano – AMH e contagem de folículos à ultrassonografia) não apresentam resultados 100% seguros. “Os exames devem ser avaliados por um especialista em reprodução humana que associará outros fatores, como idade e tempo de infertilidade, aos resultados. Muitas vezes um exame alterado não é capaz de fechar o prognóstico por si só”, explica Márcia Mendonça, ginecologista do Centro de Reprodução Humana Mater Dei.

O Hormônio Anti-Mulleriano (AMH) é hoje o melhor marcador da reserva ovariana, ou seja, é capaz determinar indiretamente qual a quantidade de óvulos que a mulher dispõe em seus ovários. Entretanto, o exame apresenta falhas e sua interpretação depende do resultado de outros fatores. Estudos recentes avaliaram o possível papel do AMH na predição da idade da menopausa e identificação de tempo útil de vida fértil das mulheres. Porém, os resultados dos estudos apontaram que o AMH não é capaz de predizer com precisão a idade da menopausa. Sendo assim, a partir dos recursos que a medicina dispõe atualmente, não é possível estipular com segurança o tempo de vida fértil da mulher.


RESPONSÁVEL:
Márcia Mendonça Carneiro
Ginecologista do Centro de Reprodução Humana Mater Dei 
CRM-MG:27578


Publicado em: 20/12/2017

Este conteúdo foi útil pra você? Sim Não
Obrigado pelo feedback. Sua opinião nos ajuda a criar um site melhor a cada dia.

Este post é sobre Atividade física

Posts Relacionados

28 Setembro 2016

A adenomiose pode causar infertilidade?

A adenomiose é uma doença benigna caracterizada pela presença do tecido menstrual (endométrio) na camada muscular do útero (miométrio).
23 Março 2018

A Síndrome do Ovário Policístico...

A síndrome dos ovários policísticos (SOP), é um desequilíbrio hormonal que ocorre na mulher, ocasionando alteração da ovulação e do ciclo menstrual. É a alteração hormonal mais comum em mulheres na idade fértil, acometendo cerca de 7 a 20% dessas.
28 Novembro 2017

​Quais fatores podem interferir na...

A infertilidade masculina refere-se à incapacidade de conceber uma criança após um ano de tentativas sem o uso de qualquer método contraceptivo.