É possível medir quanto “tempo de vida fértil” que a mulher possui? - REDE MATER DEI DE SAÚDE
Cuidados com a Saúde » Gravidez e Bebê » É possível medir quanto “tempo de vida fértil” que a mulher possui?

É possível medir quanto “tempo de vida fértil” que a mulher possui?

Infelizmente, não. Não há exame capaz de medir a fertilidade feminina, muito menos “quanto tempo fértil a mulher ainda possui”. Sabemos que as mulheres possuem um número não renovável de óvulos (folículos) em seus ovários e que, com o passar do tempo, o número e a qualidade dos mesmos reduz, gradativamente, até a ocorrência da menopausa (última menstruação). Esta redução se acentua, particularmente, após os 35 anos com consequente declínio natural das chances de gravidez.

A quantidade de folículos que existe no ovário, em determinado momento, é denominada de reserva ovariana e seu conhecimento é importante para avaliar a possível chance de sucesso em tratamentos de reprodução assistida (inseminação ou fertilização in vitro). Isso, porque o sucesso do procedimento depende, até certo ponto, da reserva ovariana da mulher que, por sua vez, diminui com o aumento da idade.

Entretanto, a avaliação da reserva ovariana não é fácil, visto que os exames disponíveis (dosagens hormonais de FSH, hormônio anti-mülleriano – AMH e contagem de folículos à ultrassonografia) apresentam falhas. O resultado deve ser avaliado levando em consideração fatores como idade e tempo de infertilidade. Muitas vezes, um exame alterado não é capaz de fechar o prognóstico por si só.

O AMH pode ser usado para avaliar a reserva ovariana em mulheres inférteis, mas apresenta falhas e sua interpretação deve levar em conta outros fatores como idade e contagem de folículos antrais (exame ultrassonográfico que conta o número de folículos no ovário). Estudos recentes avaliaram o possível papel do AMH na predição da idade da menopausa e identificação de “tempo útil de vida fértil”. Infelizmente, como já demonstrado em outros estudos, o AMH não apresentou acurácia para predizer, adequadamente, a idade da menopausa, o que segundo os autores, o torna “clinicamente inútil como marcador de fertilidade para a população em geral”.

Consulte o Centro de Reprodução Humana Mater Dei – Rua Mato Grosso, 1.100 – 2º andar – 31.3339-9495.


RESPONSÁVEL:
Márcia Mendonça Carneiro
Ginecologista e obstetra do Centro de Reprodução Humana da Rede Mater Dei de Saúde
CRM-MG: 27578


Publicado em: 28/09/2016

Este conteúdo foi útil pra você? Sim Não
Obrigado pelo feedback. Sua opinião nos ajuda a criar um site melhor a cada dia.

Este post é sobre Gestação

Posts Relacionados

28 Setembro 2016

O uso prolongado de anticoncepcionais...

Estudos recentes revelam que o uso de anticoncepcionais por vários anos não reduz a fertilidade feminina. Um dos estudos avaliou mais de 3000 mulheres que usaram anticoncepcionais por vários anos em relação as que usaram por curtos períodos.
09 Agosto 2016

Reprodução Humana e a Oncofertilidade

A preservação da fertilidade em homens e mulheres é algo muito importante que deve ser, adequadamente, abordado pelos médicos especialistas e discutido com o paciente sobre suas possibilidades e também seus riscos
16 Dezembro 2016

Preservação da fertilidade e câncer...

A incidência do câncer de mama aumenta com a idade e acomete a maioria das mulheres na pós-menopausa. Estima-se que 15 a 25% dos casos surgem na pré-menopausa, cerca de 7% abaixo dos 40 anos e que uma parcela significativa terá a doença durante o ciclo...