Cirurgias intrauterinas são o grande avanço na obstetrícia moderna - REDE MATER DEI DE SAÚDE

A Obstetrícia e a Medicina fetal

 A medicina evoluiu muito aumentando, substancialmente, qualidade e expectativa de vida. A obstetrícia não ficou atrás. Se, no passado, as informações disponíveis eram restritas para as gestantes, hoje, elas têm acesso a informações vitais para uma adequada tomada de decisão. Atualmente é possível fazer o rastreamento precoce de doenças maternas e propor medidas de prevenção e tratamento, assim como dos métodos de avaliação do feto, fornecendo informações seguras e precisas, o que proporciona segurança física e psicológica ao binômio mãe e filho e a nova família que está se formando.

A medicina fetal auxilia ainda no acompanhamento das gestações que precisam de adequação da saúde fetal, seja nos casos de transfusões intrauterinas, passando pela correção de defeitos na coluna fetal ou mesmo do coração fetal, pode-se, quando necessário, separar a placenta de uma gravidez gemelar em que existe uma alteração da circulação de sangue entre as crianças. Por meio de exames de ultrassonografia obstétrica, o feto é avaliado continuamente ao longo da gestação. Nos exames de ultrassom realizados entre 12 e 14 semanas e entre 20 e 24 semanas é possível avaliar a anatomia fetal com grande acurácia. 

Capaz de corrigir malformações graves antes mesmo do nascimento, a cirurgia fetal pode salvar vidas e evitar vários problemas de desenvolvimento dos bebês. Complexos e desafiadores, os procedimentos que envolvem a cirurgia fetal requerem uma equipe cirúrgica multidisciplinar treinada, integrada e preparada de obstetras, neurocirurgiões, anestesiologistas, cardiologistas, neurologistas e enfermeiros.  

A cirurgia fetal intra-útero tem a capacidade de aumentar a chance em 80%, nas gravidezes gemelares monocoriônica, de sobrevivência dos 2 fetos quando existe uma transfusão de sangue entre eles, e também de mudar para melhor qualidade de vida das crianças com defeito aberto da coluna após o nascimento, já que a grande maioria deles passará a ter, a movimentação independente e a capacidade cognitiva preservadas. Outras cirurgias também podem ser feitas ainda dentro do útero materno.

O procedimento, que ainda é pouco realizado no Brasil, já é realidade na Rede Mater Dei de Saúde. Confirmando o pioneirismo da Instituição em obstetrícia, a Rede realizou em abril a 1ª cirurgia fetal de Minas Gerais e está preparada e estruturada para realizar esse tipo de cirurgia. O sucesso das cirurgias já realizadas e com o nascimento de fetos saudáveis é resultado da expertise do corpo clínico da Rede e da estrutura hospitalar, que coloca à disposição dos médicos toda a tecnologia necessária.

As cirurgias fetais intrauterinas mudam de forma positiva a qualidade de vida das crianças. O Mater Dei possui recursos técnicos, de estrutura, diagnóstico e corpo clínico e assistencial capacitados para realizar o atendimento em todas as fases da vida. Mesmo quando essa fase anteceder ao nascimento.

RESPONSÁVEL
Carlos Henrique Mascarenhas
Ginecologista e coordenador do Serviço de Medicina Fetal da Rede Mater Dei
CRM-MG: 29885


Publicado em: 20/11/2018

Este conteúdo foi útil pra você? Sim Não
Obrigado pelo feedback. Sua opinião nos ajuda a criar um site melhor a cada dia.

Este post é sobre Cuidados com o bebê

Posts Relacionados

30 Julho 2018

Fazendo história

Entrevista: CARLOS HENRIQUE MASCARENHAS SILVA | Obstetra, 47 anos Especialista em tratamentos na gravidez realiza cirurgia fetal em Belo Horizonte
05 Agosto 2016

Amamentação: futuro sustentável

Dados da Maternidade da Rede Mater Dei de Saúde apontam quase 70% dos bebês sendo amamentados (AME) aos 30 dias de vida em 2016, de acordo com a análise do Serviço de Neonatologia da Rede.
20 Novembro 2018

A Obstetrícia e a Medicina fetal

Atualmente é possível fazer o rastreamento precoce de doenças maternas e propor medidas de prevenção e tratamento, assim como dos métodos de avaliação do feto, fornecendo informações seguras e precisas